Celebração do Sacramento do crisma: Dia de Pentecostes

Todos os que vão receber o crisma e, para isso têm feita a devida preparação, e já falaram com o pároco, devem preencher a ficha de inscrição que está disponível na secretaria de cada paróquia.
Os que não foram batizados em S. José ou em S. João Baptista, devem trazer uma declaração de batismo das paróquias onde foram batizados. Se tiverem a cédula de batismo com a data e o registo do mesmo, isso serve. Os padrinhos que escolherem para o crisma, têm de ser obrigatoriamente crismados e devem comprová-lo com um documento da paróquia. pois não podem ser padrinhos de algo que eles próprios não receberam. Se algum dos padrinhos escolhidos for também crismado na mesma celebração, deve crismar-se primeiro para poder ser padrinho.

Encontros onde devem participar os crismandos:

Só para os crismandos adultos de S. José e S. João Baptista: Dia 2 de Maio, quarta-feira, às 18:30 com o pároco, na sala de reuniões de S. José
Ao lado da sacristia.

Para todos:

Encontro com o Sr Bispo: No dia 10 de Maio, na capela dos Dehonianos, das 21:00 às 22:30.
Vigília de oração: 18 de Maio, na Sé Nova às 21:00
Celebração do Sacramento do Crisma: 20 de Maio, às 11:00, na Sé Nova para jovens e adultos de ambas as paróquias.

#did2018

https://vimeo.com/261349002/b51dcd0e23

Dia da Igreja Diocesana 2018 - Programa

Mais detalhes no documento em anexo.

Anexos:
Fazer download deste ficheiro (Boletim DID 2018.pdf)Boletim DID 2018.pdf[ ]868 kB

A questão da mendicidade à porta da Igreja

O Conselho Pastoral, na última reunião, refletiu a questão da mendicidade à porta da igreja que tem cada vez mais mendigos e, não tardará muito, quase não se consegue circular, com tantos à porta. Todos estão de acordo em afirmar que, se eles estão ali, é porque as pessoas lhes dão dinheiro diretamente e que só os que frequentam a igreja é que podem acabar com isso. O pior de tudo é que as pessoas julgam que estão a ajudar os pobres  e estão a desajudá-los pois não conhecem a sua situação. A técnica do centro conhece cada um, e já os tentou ajudar a todos. Um tem uma reforma suficiente para viver. Tem alimentação cama e mesa mas vem pedir para o tabaco e outros vícios, diz a técnica.  Outro é drogado e pede para a droga. Já o tentaram ajudar mas voltou ao mesmo.  Enquanto tiverem dinheiro à porta da igreja para a droga, para o tabaco e para o vinho não vão fazer esforço para sair da dependência e aceitar fazer uma cura de desintoxicação. Resultado? As pessoas que dão esmola pensando que estão a fazer  bem, estão a alimentar os vícios.

O  Conselho sugeriu ao pároco que, mais uma vez, falasse à assembleia dos cristãos de Domingo e os sensibilizasse para esta questão que só juntos podemos resolver. Não se trata de fechar o coração e não ajudar, longe disso, trata-se de ajudarmos com racionalidade , sabendo que são problemas complexos e que precisam de acompanhamento. Demos ao centro a nossa ajuda que eles .acompanharão as pessoas que quiserem ser ajudadas.